Dor crónica – uma dor invisível!

Dor crónica – uma dor invisível!

No dia 16 deste mês assinala-se o Dia Nacional da Luta Contra a Dor. A dor aguda é um sintoma que pode sinalizar uma lesão ou doença. Habitualmente, surge de forma rápida e desaparece quando a sua causa é resolvida. Contudo, quando a dor se prolonga, durante vários meses ou até anos, e persiste para além do problema que lhe deu origem, transforma-se em dor crónica. A dor crónica é uma dor invisível, muitas vezes desvalorizada e desconsiderada pelo próprio e pelo os que o rodeiam, tornando-se também uma dor solitária que causa grande sofrimento físico e mental.

Segundo um estudo epidemiológico realizado em Portugal, 36,7% da população - ou seja, mais de 3 milhões de portugueses - sofrem de dor crónica.

A dor crónica tem implicações nas diferentes áreas da vida do indivíduo – pessoal, emocional, familiar/relacional, social, laboral – tendo um impacto negativo na qualidade de vida, podendo ser verdadeiramente incapacitante.

Para além do sofrimento físico que causa, pode levar a alterações no sistema imunitário, provocar cansaço, alterações do sono e do apetite, problemas intestinais, diminuição da líbido, dificuldades de concentração e memória, conduzindo, muitas vezes, a quadros ansiosos e depressivos.

Deixamos aqui algumas dicas e conselhos práticos para o/a ajudar a atenuar as consequências negativas da dor crónica na sua vida:

Atividade física regular – o exercício físico ligeiro ou moderado, realizado de forma regular e com o devido aconselhamento médico, é fundamental para lidar com a dor. Aumenta a resistência física, a mobilidade, a flexibilidade e ajuda igualmente a lidar com a ansiedade e a depressão.

Boa qualidade do sono – dormir pode ser uma tarefa muito exigente e desafiante para quem sofre de dor crónica. Tente encontrar uma posição confortável, com ajuda de almofadas e de um colchão apropriado. A temperatura do quarto deve ser regulada e deve evitar ruídos e luzes.

Praticar meditação mindfulness – as técnicas de meditação mindfulness na gestão da dor crónica têm sido amplamente estudas e há já programas específicos de meditação mindfulness para lidar com a dor crónica.

Alimentação saudável - uma boa alimentação pode reduzir a dor e melhorar outros sintomas que frequentemente acompanham a dor crónica, como sintomas depressivos, ansiosos e cognitivos. Uma alimentação rica em legumes, vegetais, fruta e pobre em alimentos processados, açucares e sal é algo que deve tomar em atenção.

Procurar suporte social – ter uma boa rede social de suporte é fundamental para lidar com as exigências de viver com dor crónica. Rodear-se de pessoas que compreendam a condição é fundamental para lidar com a frustração, a irritabilidade e ansiedade causadas pela dor.

Apesar de todos estes pontos a ter em conta, a ajuda profissional é fundamental e necessária.

Um Psicólogo e/ou um Psiquiatra podem ajudar!

10 de outubro, 2022